terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Em time que esta ganhando não se mexe...


Adoro cinema, principalmente filmes de ficção científica. Interessante notar que apesar de ser o gênero que costuma fazer mais sucesso no cinema a literatura desse mesmo gênero acaba sendo vista mais como coisa da juventude. Ora! As boas histórias do cinema se originaram na literatura. Será que ninguém lembra disso? Philip K. Dick anda em voga no momento. Pena que as grande produtoras não pensem em filmar O Homem do Castelo Alto, por exemplo. Em vez disso preferem apanhar grandes clássicos e refilma-los, com novas roupagens recheados de efeitos arriscando até estragar o roteiro original que geralmente era o atrativo principal. Não gostei do que fizeram com O Dia em Que a Terra Parou. Pra quem nunca viu o filme original pode ser que até passe mas faltou alguma coisa a mais, um final maior, mais devagar pra dar tempo de digerir. Termina rápido demais. Fizeram o mesmo com A Última Esperança da Terra e agora temo pelo Planeta Proibido. Pra quem não sabe Planeta Proibido foi o filme que inspirou a idéia da Federação dos Planetas Unidos para Gene Roddemberry o criador de Jornada nas Estrelas (Star Trek).
Para saber mais sobre o novo filme Forbiden Planet:
http://www.omelete.com.br/cine/100017155/James_Cameron_pode_dirigir_refilmagem_da_ficcao_cientifica_Planeta_Proibido_.aspx

Um comentário:

Seriadoteca disse...

O roteiro de O DIA EM QUE A TERRA PAROU (2008) foi inspirado pelo roteiro do filme original (1951), que, por sua vez, baseou-se em um conto chamado "ADEUS AO MESTRE", de HARRY BATES. Já houve uma alteração significativa do conto para o primeiro filme (cheio de mensagens pacifistas, em tempos de Guerra Fria), pois o conto não flui com dinamismo, além de ter um final incomum, que não deve ter agradado aos chefões do estúdio cinematográfico. Como vivemos em tempos onde as mudanças climáticas parecem estar ocorrendo mais rapidamente, alteraram novamente o motivo da visita alienígena.